sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

O mundo irá acabar?


Dia 21 de dezembro de 2012.
Hoje, segundo os Maias, seria o fim do mundo.
Fim do mundo?
Vai ser a que horas?
Posso ir com roupa informal?

Hoje acordei com o canto dos pássaros. Ao sair de casa me deparei com um céu totalmente azul, desprovido de nuvens. Céu considerado "céu de brigadeiro". Seria, na verdade, um céu de brigadeiro, casadinho, empadinha... um céu festivo de luz, cor e muita música cantada pelos pássaros e acompanhada pelo balançar das folhas das árvores. Havia muito brilho em meio ao barulho tímido das pessoas a acordar para mais um dia de trabalho.

Passava o ônibus pelas docas quando vi pairando em nosso céu azul um objeto que não consegui saber se era avião ou helicóptero. Contorcia-me na cadeira em busca de resposta que não encontrava com a dificuldade que o movimento do transporte coletivo me dava para fixar meu olhar no objeto não identificado.

Pensei: Seria esse, um enorme zepelim a abrir dois mil orifícios com dois mil canhões e seu comandante decidido, vendo tanto horror e iniquidade, tudo explodir e assim nos dar o tal fim do mundo? (como diz Chico Buarque na música "Geni e Zepelim")

Acredito que ao ver tão brilhante dia, o errante finalizador de mundo resolveu evitar o drama da destruição e nos agraciar com mais uma oportunidade de arquitetar amorosamente os corações das pessoas para que tenhamos um verdadeiro fim tranquilo, feliz e harmonioso no dia definido pelo Senhor no grande livro celestial.

O fim do mundo (ainda) não acabou (e não acabará hoje), mas tenho uma certeza, está iniciando o verão e junto o brilho de um sol maravilhoso que vem para aquecer e celebrar mais um ciclo de vida. Mais um ano que está para vir e nos abraçar com a certeza de fazermos o possível para que nossas vidas sejam mais grandiosas junto daqueles que amamos.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Oração a Nossa Senhora Aparecida


Ó incomparável Senhora da Conceição Aparecida,
Mãe de Deus, Rainha dos Anjos,
Advogada dos pecadores,
refúgio e consolação dos aflitos e atribulados,
Virgem Santíssima,
cheia de poder e de bondade,
lançai sobre nós um olhar favorável,
para que sejamos socorridos por vós,
em todas as necessidades em que nos acharmos.
Lembrai-vos, ó clementíssima Mãe Aparecida,
que nunca se ouviu dizer
que algum daqueles que têm a vós recorrido,
invocado vosso santíssimo nome
e implorado a vossa singular proteção,
fosse por vós abandonado.
Animados com esta confiança,
a vós recorremos.
Tomamo-vos para sempre por nossa Mãe,
nossa protetora, consolação e guia,
esperança e luz na hora da morte.
Livrai-nos de tudo o que possa ofender-vos
e ao vosso Santíssimo Filho, Jesus.
Preservai-nos de todos os perigos
da alma e do corpo;
dirigi-nos em todos os assuntos espirituais e temporais.
Livrai-nos da tentação do demônio,
para que, trilhando o caminho da virtude,
possamos um dia ver-vos e amar-vos
na eterna glória, por todos os séculos dos séculos. Amén.

Nossa Senhora da Aparecida - Uma cultura fundada na fé e na piedade mariana

As primeiras décadas do século XVIII no Brasil não foram nada fáceis. O declínio do açúcar nordestino, a aparição de uma nova corrida aurífera no sudeste, especialmente em Minas Gerais, a concorrência de muitos “senhores” pelo monopólio da nova região do ouro, os conflitos entre negros e colonos portugueses, entre índios e os chamados “bandeirantes”, bem como a grande distância do território nacional e as dificuldades nas comunicações, marcavam um panorama de tensão e de grande preocupação pelo futuro da nação, que ainda estava em formação.
E foi assim que em 1716, um novo governador da província de São Paulo e Minas de Ouro havia sido escolhido, D. Pedro de Almeida e Portugal, conhecido como o “Conde de Assumar”. Vinha direto de Portugal com a difícil missão de apaziguar os conflitos na região mineira. Chega em São Paulo em 1717 e vai direto para Minas. Durante a sua viagem, chega no domingo 17 de outubro na vila de Guaratinguetá, após ter percorrido mais ou menos um terço do caminho, para descansar. A cidade recebe-o com grande festa. Passou na cidade 13 dias, sob os atenciosos cuidados do governador da Vila, o Capitão-mor Domingos Antunes Fialho.
Para a alimentação da grande comitiva que acompanhava ao Conde de Assumar, o Senado da Câmara mandou que alguns pescadores fossem conseguir peixes, já que a cidade estava rodeada pelo Rio Paraíba do Sul. E assim aconteceu que…
“Entre muitos, foram a pescar Domingos Martins Garcia, João Alves e Felipe Pedroso com suas canoas. E principiando a lançar as suas redes no Porto de José Corrêa Leite, continuaram até o Porto de Itaguassu, distância bastante, sem tirar peixe algum. E lançando neste porto, João Alves a sua rede de rastro, tirou o corpo da Senhora, sem cabeça; lançando mais abaixo outra vez a rede tirou a cabeça da mesma Senhora, não se sabendo nunca quem ali a lançasse. Guardou o inventor esta imagem em um tal ou qual pano, e continuando a pescaria, não tendo até então tomado peixe algum, dali por diante foi tão copiosa a pescaria em poucos lanços, que receoso, e os companheiros, de naufragarem pelo muito peixe que tinham nas canoas, se retiraram a suas vivendas, admirados deste sucesso” .
Havia ocorrido um milagre! Inexplicável como pode ser que em três lançadas de rede ao rio, se retirasse, continuamente, um corpo, logo sua cabeça, e mais tarde uma incrível quantidade de peixes. Felipe Pedroso, profundamente católico e tocado pela experiência, viu e creu. Foi intercessão da Virgem Maria, Mãe de Deus! Levou, então, a pequena imagem para a sua própria casa e poucos dias depois começou a organizar orações, sobretudo a reza constante do terço. Novos milagres foram acontecendo e a piedade foi aumentado incrivelmente. Já em 1748, pelo testemunho de alguns padres jesuítas que aí foram visitar, “eram muitos os que aí se reuniam para pedir ajuda e proteção à Senhora que eles chamam, piedosamente, de a “Aparecida”".
A própria imagem de Nossa Senhora Aparecida resume em si, todas as qualidades de síntese cultural, de conciliação e da unidade da qual estamos falando. E sem dúvida, sua “aparição” foi uma clara resposta, desde a fé, a todo esse difícil contexto político-social que atravessava a Colônia no início do s. XVIII.
Olhemos para a imagem. Nela se encontram o português (a imagem é uma réplica da Padroeira de Portugal e do Brasil, Nossa Senhora da Conceição, que desde 1646 fazia parte da devoção de D. João IV e de toda as suas colônias); o brasileiro (a imagem foi feita, segundo estudos, com “terracota”, barro paulista característico da região encontrada); o índio (a imagem foi encontrada no rio indígena “Para`iwa”, passo entre Minas, Rio e São Paulo, hoje, Rio Paraíba do Sul); e o negro (a imagem possui uma cor castanho escuro, tendendo ao negro).
E assim se espalhou a devoção a Nossa Senhora da Conceição Aparecida, hoje, Padroeira do Brasil, cujo Santuário, na cidade de Aparecida do Norte reúne milhares de fiéis, de distintos lugares e etnias, em um bela manifestação de nossas raízes culturais, de nossa “unidade na pluralidade” mantida e fortalecida pela fé. A História de Nossa Senhora Aparecida nos ajuda, portanto, a entender esse papel tão importante da fé católica na configuração de nossa identidade cultural. Somos um país com vocação católica!
Peçamos a Nossa Senhora da Conceição Aparecida, a “mãe amável, a mãe querida” do nosso Brasil que interceda por cada um de nós e pelo nosso povo para que, seguindo os seus passos, possamos ir ao encontro daquele que nos espera de “braços abertos”, o Cristo Redentor, o Filho de Maria.

Feliz dia de Nossa Senhora Aparecida!

Texto retirado do site: http://www.presbiteros.com.br/site/nossa-senhora-da-aparecida/

segunda-feira, 4 de junho de 2012

A magia da lua

Hoje acordei diferente.
Resolvi deixar o relógio de lado e sem me preocupar com horário de chegada ao trabalho fui caminhar no silêncio da madrugada até um ponto distante do normal para pegar o transporte de todos os dias.
Caminhava até a orla quando vi, boiando no céu, imensa e amarela a tão redonda lua que Tom Jobim usou em sua canção (Luiza). Ela flutuava em meio a estrelas, tendo o mar como base e as luzes da cidade dando o seu toque e esses coadjuvantes a deixava mais deslumbrante.
Eu caminhava e enamorava aquela paisagem enquanto as ondas borbulhavam na areia da praia compondo a trilha sonora daquela obra prima.
Tive a necessidade de tirar uma foto, mas a fotografia não iria causar o mesmo sentimento que aquela cena mágica me fazia sentir.
Queria poder mostrar a todos os amantes e enamorados que ficar esperando somente o dia deles é desperdiçar o que a natureza proporciona todos os meses.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Curso de qualificação para o turismo - Copa 2014


O Brasil já começou a se preparar para Copa do Mundo. Escolha um dos CURSOS GRATUITOS e se qualifique! O principal jogador deste time é você. Serão 240 mil vagas até 2014. Aproveite! Essa é a sua chance de crescer profissionalmente e ter uma vida melhor.



O Brasil vai receber a Copa do Mundo da FIFA de 2014 e o sucesso do evento depende de um fator fundamental: a preparação dos profissionais do setor turístico. Eles são os responsáveis por fazer o turista sentir-se um morador do destino escolhido para a viagem.Nossos profissionais não podem ser apenas torcedores, mas representantes de um país forte e desenvolvido, que recebe visitantes internacionais como ninguém e que está preparado para sediar os principais eventos do mundo. A hospitalidade já é uma marca registrada de nosso povo.Agora, chegou a vez de aprender: o ‘Pronatec Copa’ vai qualificar quem já atua ou quem pretende se profissionalizar nas áreas de hospedagem, alimentação fora do lar, agências de viagens e outros setores do turismo.Mais qualificação significa mais oportunidade de emprego e um mercado de trabalho mais amplo, o que possibilita salários melhores e mais competitivos.

segunda-feira, 19 de março de 2012

19 de março, dia de São José

José é um personagem célebre do Novo Testamento bíblico, marido da mãe de Jesus Cristo. Segundo a tradição cristã, nasceu em Belém da Judeia, no século I a.C., era pertencente à tribo de Judá e descendente do rei Davi de Israel. No catolicismo, ele é considerado um santo e chamado de São José.
Segundo a tradição, José foi designado por Deus para se casar com a jovem Maria, mãe de Jesus, que era uma das consagradas do Templo de Jerusalém, e passou a morar com ela e sua família em Nazaré, uma localidade da Galileia. Segundo a Bíblia, era carpinteiro de profissão, ofício que teria ensinado seu filho.
São José é um dos santos mais populares da Igreja Católica, tendo sido proclamado "protetor da Igreja Católica Romana"; por seu ofício, "padroeiro dos trabalhadores" e, pela fidelidade a sua esposa, como "padroeiro das famílias", sendo também padroeiro de muitas igrejas e lugares do mundo.

História

O lugar que José ocupa no Novo Testamento é discreto: está totalmente em função de Cristo e não por si mesmo. José é um homem silencioso, e pouco aparece na Bíblia. Não se sabe a data aproximada de sua morte, mas ela é presumida como anterior ao início da vida pública de Jesus. Quando este tinha doze anos, de acordo com o Evangelho de Lucas (cap. 2), José ainda era vivo, sendo que em todos os anos a família ia anualmente a Jerusalém para a festa da Páscoa. Na Páscoa desse ano, "o menino Jesus permaneceu em Jerusalém sem que seus pais soubessem", os quais "passaram a procurá-lo entre os parentes e os conhecidos" e, por fim, o reencontraram no Templo da Cidade Santa "assentado entre os mestres, ouvindo-os e interrogando-os, os quais se admiravam de sua inteligência e de suas respostas". "Logo que seus pais o viram, ficaram maravilhados" e Maria, sua mãe, diz-lhe: "Teu pai e eu, aflitos, estamos à tua procura", sendo essa sua última referência a José estando vivo.

Nos Evangelhos

O Evangelho de Lucas atesta que o imperador Augusto ordenou um recenseamento em todo o Império Romano, que na época incluía toda a região, e a jovem Maria e seu esposo José se dirigiram a Belém, por ambos serem da Tribo de Judá e descendentes de Davi. Nessa época, reinava na Judeia Herodes, o Grande, monarca manipulado pelos romanos, célebre pela crueldade.
O texto do Evangelho deixa claro que José era o pai legal e certo de Jesus, pelo que (Mateus 1) é através de José que é referida a ascendência de Jesus até David e Abraão, embora o texto deixe inequívoco que ele não foi o pai biológico de Jesus. José quando encontrou Maria grávida "sem antes terem coabitado", "sendo justo e não a querendo infamar, resolveu deixá-la secretamente", quando na época a lei bíblica vigente (Deuteronômio 22) prescrevia a lapidação (morte por pedradas) das adúlteras. Eis que, então, enquanto José dormia, apareceu-lhe, em sonho, um anjo que pede-lhe que não tema em receber Maria como sua esposa, "pois o que nela foi gerado é do Espírito Santo", passagem normalmente interpretada pelos cristãos como uma concepção sem necessidade de uma participação masculina e, desde que se a suponha também virgem, de uma concepção virginal (já por tradições judaicas, Jesus é referido como "mamzer", algo como bastardo). De qualquer forma, portanto, o Evangelho não deixa dúvidas de que não é "pela carne" que Jesus herda os títulos messiânicos de "filho de Davi" e "filho de Abraão" com o que Mateus abre o Novo Testamento.
O texto evangélico também é insistente — ao apresentar a genealogia de José e citar uma linha patrilinear que inclui os reis de Judá e vai até Davi e Abraão — em ressaltar terríveis impurezas morais na ancestralidade de José, o marido de Maria a mãe de Jesus. Entre tantos homens, somente quatro mulheres, além de Maria, são citadas por Mateus nessa lista genealógica: Tamar, Raabe, Rute e a mulher de Urias (Betsabé), respectivamente: uma incestuosa, uma prostituta, uma estrangeira (era proibido aos israelitas casarem-se com estrangeiras) e a que foi tomada como esposa pelo rei Davi, que para obter isso encomendou a morte de seu marido, Urias, significando aqui o assassinato e o adultério.
Nessa época, Maria, sua esposa deu à luz Jesus numa manjedoura, pois não encontraram outro local para se hospedarem em Belém. Devido a tirania do rei Herodes e de sua fúria em querer matar o menino Jesus por ter ouvido que havia em Belém nascido o "rei dos Judeus", a Bíblia, no Evangelho de Mateus, refere que Deus, através de um anjo e igualmente em sonho, orientou seu esposo José para que fugissem para o Egito. Assim, apenas nascido, Jesus já era um exilado, juntamente com José e Maria seus pais.
Posteriormente, tendo Herodes morrido, um anjo de Deus, igualmente em sonho, aparece a José e orienta-o para que regressem à terra de Israel "porque já morreram os que atentavam contra a vida do menino". Ao regressar, tendo ouvido que Arquelau (Herodes Arquelau) reinava na Judeia no lugar de seu pai Herodes, temeu ir para lá e, por mais uma vez, em sonho, tendo sido prevenido por divina advertência, retirou-se para a região da Galileia, voltando a família a residir em Nazaré.

Apócrifos do Novo Testamento

São José é também uma figura proeminente nos Apócrifos do Novo Testamento, principalmente pela tentativa de explicar o dogma da virgindade perpétua de Maria, a existência dos irmãos de Jesus como sendo filhos de um casamento anterior dele e a Infância de Jesus.

Texto e imagem retirados do site: http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Jos%C3%A9

Oração a São José

Ó Glorioso São José, a quem foi dado o poder de tornar possíveis as coisas humanamente impossíveis, vinde em nosso auxílio nas dificuldades em que nos achamos. Tomai sob vossa proteção a causa importante que vos confiamos, para que tenha uma solução favorável.
Ó pai muito amado, em vós depositamos toda nossa confiança. Que ninguém possa jamais dizer que vos invocamos em vão. Já que tudo podeis junto de Jesus e Maria mostrai-nos que vossa bondade é igual ao vosso poder.
São José, a quem Deus confiou o cuidado da mais Santa Família que jamais houve, sede, nós vo-lo pedimos, ó Pai e protetor da nossa, e impetrai-nos a graça de vivermos e morrermos no amor de Jesus e Maria!
São José, rogai por nós!

quinta-feira, 8 de março de 2012

Feliz Dia da Mulher


O dia 8 de Março é, desde 1975, comemorado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher. Em 1908, mais de 14 mil mulheres marcharam nas ruas de Nova Iorque: reivindicaram o mesmo que as operárias no ano de 1857, bem como o direito de voto. Caminhavam com o slogan "Pão e Rosas", em que o pão simbolizava a estabilidade econômica e as rosas uma melhor qualidade de vida. Em 1910, numa conferência internacional de mulheres realizada na Dinamarca, foi decidido, em homenagem àquelas mulheres, comemorar o 8 de Março como "Dia Internacional da Mulher". Esta é a minha homenagem ao dia Internacional das Mulheres, Vanderlei Torbis - Março de 2012.

Texto e vídeo retirado do site:  http://mais.uol.com.br/view/o430ac7eoi4o/homenagem-ao-dia-internacional-da-mulher--2012-0402CC1B396CD4A92326?types=A